10
Abr 12


“Encontro à Beira-Rio”
Christopher Isherwood


Isherwood convida-nos, em “Encontro à Beira-Rio”,a observar o jogo de máscaras que ocorre durante o caminho de autodescoberta dos irmãos Patrick e Oliver.
A comunicação epistolar entre várias personagens permite-nos observar a condição de emissor e receptor dos dois irmãos, mas deduzir, somente, as possíveis reacções da mãe, mulher e amante de Patrick (irmão mais velho). Cabe ao leitor preencher as lacunas propositadamente deixadas pelo autor ao não dotar outras personagens de “voz” própria.
Apesar da diferença entre Oliver e o seu irmão, o caminho tem um fim comum, embora não declarado no primogénito: o autoconhecimento/ a auto-aceitação.
Oliver, visto pela sua família como um eterno inquieto, é seduzido a evoluir espiritualmente através de um percurso distinto do esperado na sociedade ocidental. Ao optar por uma educação ou formação classicista de Mestre-discípulo, dentro do hinduísmo, ele contraria a educação modular e complementar imposta pela contemporaneidade. A renúncia do “Ego” e, em consequência, do prazer físico, contrasta com a filosofia hedonista do seu irmão. A clivagem entre filosofias e respectivas condutas de ambos revela os obstáculos num caminho que, objectivamente, leva ao conhecimento do “self” e do respectivo relacionamento com a sociedade. O autor expõe, desta forma, a complexidade em si existente. Patrick e Oliver são manifestações, em certo grau, do seu próprio debate emocional e intelectual.
“Fujo de me comportar como Patrick, digo para mim mesmo que o seu comportamento é o mal, retiro-me à pressa para aquela triste e farisaica parte de mim que nada tem a ver com ele, é só minha, e congelo as ligações entre nós com o ódio. Patrick pode perturbar-me terrivelmente, porque pode fazer-me pôr em questão a forma como levo a minha vida” pág. 104
O que talvez seja o mais surpreendente é a manipulação do expectável e a confluição de diferentes posturas numa posição epicurista da vida.
Através de cartas e também, no caso de Oliver, de um diário conseguimos diagnosticar a precária construção emocional de ambos. Conforme o destinatário da mensagem escrita, a visão sobre o mesmo facto diverge e assiste-se à adaptação contraditória de perspectivas e emoções por parte da mesma pessoa.
A distância cínica da visão ocidental sobre o misticismo oriental, tão visível na perspectiva de Patrick, é prenunciadora da secundarização a que esta obra foi sujeita.
Através de uma estrutura narrativa simples, assente em duas vozes e sempre apresentadas como “eu narrativo”, Isherwood expressou em “Encontro à Beira-Rio”, sua última obra, as próprias convicções e dilemas emocionais e intelectuais.

Mário Rufino
mariorufino.textos@gmail.com
publicado por oplanetalivro às 10:45

Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
29
30
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO