30
Ago 11




Entre muitas interrogações, ambos os autores provocam em mim a incerteza sobre o significado de contemporaneidade. Interpreto, através da luz fornecida pela Peregrinação de Pedro Rosa Mendes, o autor Fernão Mendes Pinto como meu contemporâneo. A estranheza demonstrada perante o outro, já não sendo geográfica, ainda se mantém como psicológica e cultural. A genialidade existente em "Peregrinação de Enmanuel Jhesus" não se esgota em si, mas com intenção e como objectivo, remete para a "Peregrinaçam" de Fernão Mendes Pinto.
As duas obras não se conformam com a representação da realidade, mas almejam capturá-la nas malhas da ficção.
As duas narrativas derrapam para a ficção ou para a realidade. Depende da perspectiva adoptada pelo leitor. Mas se este adoptar uma só perspectiva e não tentar ver através de vários ângulos nunca conseguirá aproximar-se da beleza intrínseca de cada obra.
Se Fernão Mendes Pinto já tem o seu lugar na história, confesso ler Pedro Rosa Mendes como um dos maiores escritores portugueses.
publicado por oplanetalivro às 23:37

Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
29
30
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

4 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO